top of page
Buscar
  • Sara Moniz

A primeira página de Reykjavík

A grande maioria dos visitantes da Islândia visita Reykjavik e fica pelo menos uma noite na cidade. Reykjavik de hoje é um lugar vibrante cheio de comércio, eventos culturais, hotéis luxuosos, paragens turísticas, alta cozinha e vida noturna mas só foi sujeito a um modernismo há umas décadas atrás, após a segunda guerra mundial, com a ocupação das tropas americanas que ajudaram a cidade a desenvolver drasticamente. Os bares começaram a abrir para entreter os militares, seguindo-se restaurantes, museus, teatros e muitos outros. A mente isolacionista do povo islandês transformou-se num vasto interesse pelas culturas e influências estrangeiras.

Naturalmente, uma cidade tão dinâmica desenvolveu-se da primeira zona a ser estabelecida permanentemente na Islândia. Se viajarmos até ao primeiro povoamento do país, a informação que existe remete a Reykjavik e vem do livro dos assentamentos (Landnámabók) composto por Ari Þorgilsson no fim do século 11 ou início do século 12, em que menciona o Viking Ingólfur Arnarson e sua esposa Hallveig Fróðadóttir como os primeiros habitantes permanentes que se estabeleceram em Reykjavik.

Segundo as sagas, Ingólfur quando avistou a ilha através do seu barco, decidiu deixar para os Deuses a decisão do seu destino lançando ao mar os pilares em madeira do seu trono, sendo estes o símbolo da sua chefia, cravados com o nome de família e a representação dos Deuses. Ele garantiu que assentaria onde quer que os pilares dessem à costa. Três anos depois, em 874, os seus escravos conseguiram localizá-los em Reykjavik e Ingólfur estabeleceu a sua residência junto ao mar perto da pequena colina de Arnarhóll, onde a sua estátua ainda hoje se mantém.

Ingólfur deu o nome de Reykjavik, o que significa “baía fumegante”, pois o local que ele encontrou estava repleto de fontes termais que libertavam vapor.

Os descendentes de Ingólfur and Hallveig foram muito inportantes na criação do Alþingi (parlamento) em 930, que marcou o fim da era de assentamentos e começou, o que é hoje, o parlamento mais antigo do mundo.

Hoje, considerando que dois terços da população islandesa vive em Reykjavik, vemos que a cidade se transformou na capital social, política e cultural da Islândia. Quando Ingólfur Arnarson descobriu os seus pilares naquela baía fumegante, ele nunca iria imaginar a cidade que iria ascender da sua colonização.




Comments


bottom of page